OS FLUÍDOS DESPRENDIDOS DO MÉDIUM, SERVINDO PARA
A PRODUÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES FÍSICAS DOS ESPÍRITOS

Allan Kardec, no Capítulo IV, da Segunda Parte de "O Livro dos Médiuns", ensinou-nos que:

Para produzir uma manifestação física, o Espírito combina uma porção do fluído universal, (criado por Deus), que se presta a muitas modificações, com o fluído que se desprende do corpo material do médium apto a produzir efeitos físicos;

O Espírito tem a seu dispor um fluído universal modificado e condensado, o qual se presta, inclusive, à formação do seu corpo espiritual, denominado por Allan Kardec de perispírito, envoltório fluídico ou invólucro semimaterial;

O corpo espiritual (perispírito) do Espírito tem a forma humana e conserva este tipo. Porém, a forma e a aparência podem variar adequando-se ao grau de evolução do Espírito;

O Espírito atua sobre os fluídos usando a vontade e os impulsos da sua inteligência;

O Espírito precisa, sempre, para produzir efeitos físicos, dos fluídos animalizados emitidos por um médium;

O Espírito, para realizar manifestações físicas, combina os  fluídos emitidos pelo médium com os seus próprios fluídos espirituais. Assim, as manifestações físicas dos Espíritos decorrem sempre da união do fluído animalizado emitido pelo médium com o fluído universal que está à disposição dos Espíritos;

O poder do efeito físico depende da quantidade do fluído cedido pelo médium. quanto mais fluído o médium emitir, mais possante é o poder de sua mediunidade;

O Espírito é a causa do efeito físico. Os fluídos são os seus instrumentos;

O médium, que é um Espírito encarnado, conserva o perispírito ou o corpo espiritual. Porém, o seu perispírito está mais ou menos unido ou fundido com a matéria do corpo material. isto permite que algumas pessoas emitam fluídos especiais, decorrentes de suas condições orgânicas. Essas pessoas são denominadas de médiuns de efeitos físicos, entre os quais se enquadram os médiuns curadores;

Para os homens, os fluídos por si emitidos são invisíveis. Mas, os Espíritos percebem essas emanações ou emissões do fluído animalizado. Assim, os Espíritos servem-se desses fluídos, de um modo mais ou menos fácil, para combiná-los com o fluído universal, que emana do perispírito deles. Com esses fluídos combinados, os Espíritos conseguem produzir muitos efeitos físicos, inclusive curas espirituais;

É sempre o Espírito que elabora os fluídos. Assim, a ação mediúnica depende do Espírito e não da vontade do médium;

O Espírito, quando quer produzir um efeito físico, pode agir à revelia do médium, mas nunca sem a sua participação. Isto porque o Espírito depende dos fluídos animalizados emitidos pelo médium;

Nos efeitos físicos provocados pelos homens, a vontade do médium chama os Espíritos para impulsionarem os fluídos que se prestam ao efeito desejado;

O Espírito, muitas vezes, tira o fluído animalizado do médium e produz fenômenos físicos espontâneos, deixando o concurso do médium totalmente despercebido;

O poder do efeito físico depende de três fatores, a saber: 1) da facilidade do organismo do médium em emitir fluídos animalizados; 2) da maior ou menor facilidade que o Espírito encontra para combinar os seus fluídos com o dos médium; 3) e da maior ou menor simpatia que o médium desperta no Espírito;

Os médiuns que possuem elevação moral atraem os bons Espíritos, e estes, necessariamente, afastam os Espíritos inferiores ou maus que querem produzir efeitos físicos maléficos;

A faculdade mediúnica é diferente do magnetismo ou do poder magnético que existe em algumas pessoas. As pessoas com grande poder magnético tiram de si mesmas os fluídos que servem para produzir fenômenos físicos, sem a ajuda dos Espíritos;

Na faculdade mediúnica, é o Espírito que põe em ação os fluídos combinados através de sua vontade e de seu pensamento. Assim, é o Espírito quem produz o efeito físico desejado, atuando, conscientemente, sobre a matéria inerte ou orgânica;

O Espírito não precisa que o médium esteja no local onde pretenda agir. Ele pode tirar o fluído animalizado do médium mesmo este estando num local distante e não tenha conhecimento disto;

O Espírito consegue produzir um efeito físico e atuar sobre um corpo material, porque ele satura esse corpo com o fluído combinado, que tem a participação do fluído dele e do fluído emitido pelo médium;

Os fluídos são controlados pelo Espírito, que é a causa inteligente do fenômeno;

Os homens estão ainda longe de conhecer a natureza íntima e todas as propriedades dos fluídos existentes no Universo.

Assim Allan Kardec estabeleceu claramente a diferença entre o Magnetismo e a Mediunidade, sendo esta objeto de maior interesse do Espiritismo.